Primeiros passos em Rails

Ambiente devidamente configurado, fui eu meter as caras no Rails, framework para agilizar e divertir (???) o desenvolvedor, segundo informado no próprio site.

Algumas coisas me empurraram para o Rails, na ordem:

– Curiosidade: acredite, um programador sem curiosidade não é nada além de um repetidor de tarefas.
– Custo: desenvolvendo em Grails eu teria que contratar uma JVM dedicada para hospedar minha aplicação. Isso gerou um custo que deixou o cliente insatisfeito. Como quem manda é ele, fui obrigado a buscar uma solução mais econômica.
– Compatibilidade: Boa parte da aplicação já estava feita em Grails, então eu precisaria aproveitar o máximo possível. Devido ao fato do Grails ter sido criado usando o Rails como base, a migração teoricamente seria menos traumática.
– Produtividade: Esse é o ponto chave do Rails. Em termos de custo de hospedagem, pode ser comparado ao PHP, mas com certeza é uma ferramenta que provê muito mais recursos do que o dinossauro da Zend. Por exemplo, eu posso criar uma tela de cadastro no Rails utilizando poucas linhas de código, enquanto no PHP não existe nenhum suporte nativo a isso, apesar de ferramentas como PHPScaffold.

Tive alguns problemas chatos tentando utilizar o ActiveScaffold, mas esse é mais um projeto que sofre da clássica doença do “fiz, mas não testei”. Não funcionou de jeito nenhum com o Rails 2.2.2 que estou utilizando. Instalei o Streamlined e, por enquanto, tudo está caminhando tranquilamente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: