ActiveScaffold

30.março.2009

Não use.

Simples assim.

Anúncios

Sobre garrafas d’água e janelas quebradas

27.março.2009
Há semanas eu queria publicar isso, mas a correria e a avalanche de viagens atrasou um pouco a coisa por aqui. A boa é que meu plano de milhagens ficou mais gordinho depois do último mês.

No escritório em que trabalho há um frigobar. No frigobar há uma garrafa d’água cuja função (duh) é fornecer água gelada aos funcionários e visitantes. Sem dúvida, nesses tempos de calor excessivo, um copo bem servido de água gelada é muito bem vindo.

O problema é que todo mundo gosta de tomar aquele copão de água refrescante, mas ninguém gosta de encher a garrafa de volta e, aquele que pega essa tarefa, gasta bons minutos enchendo uma garrafa vazia e bebendo água morna.

E o que você tem a ver com o que acontece no escritório?

Pense que a garrafa é um software. Você chegou da rua, com calor e suado e quer água gelada. Você foi jogado num projeto e quer código limpo,claro e que funcione, certo?

Só que, sinto dizer, as chances de você encontrar isso no seu novo projeto é ainda menor do que as chances de encontrar água gelada, e o motivo é bem simples: maioria das pessoas quer simplesmente se livrar do problema, pular para a próxima tarefa, correr logo para casa e/ou mostrar produtividade para a chefia. Poucos percebem que isso vai criando uma bola de neve, ou de fezes, que só cresce, e afoga o próximo que tiver que meter a mão no lodo.

“Não tenho tempo”, “o próximo que se dane” ou simplesmente “não reparei que estava fazendo isso” são as desculpas mais comuns e, infelizmente, tentar convencer essas pessoas do contrário é tão produtivo quanto lavar burro com xampu anticaspa.

Alguém um dia disse que, se quisermos um mundo melhor, temos que começar a limpar nosso próprio quintal. Se eu quero ter sempre água gelada, eu completo o que acabei de beber. Se eu quero um código limpo, eu corrijo, dentro do possível, o código em que estou trabalhando, e faço o possível para deixar código limpo para quem vier depois. E não compensa esperar que as outras pessoas mudem de comportamento, por mais que os cursos por aí preguem o contrário.

Conserte as janelas quebradas, escreva testes, não jogue papel na rua, limpe os pés antes de entrar e, pelo amor da sua divindade preferida, encha a porra da garrafa d’água depois de se servir.

E bom fim de semana.


Erro chato usando Git no Windows

26.março.2009
De repente (bom, mais ou menos) meu git começou a exibir uma mensagem de erro ao dar commit:

You have some suspicious patch lines

WTF? Isso acontece depois de desabilitar a alteração de todas as quebras de linhas para CR-LF, tornando o fonte legível aos desenvolvedores que felizmente não estão usando Windows. Não sei porque o git passa a entender o sinal a mais de quebra de linha como sendo um espaço.

Depois de fuçar bastante, cheguei a um workaround para isso. Dentro do seu projeto, edite o arquivo .git/hooks/pre-commit e comente as linhas abaixo:

if (/\s$/) {
  bad_line("trailing whitespace", $_);
}

Pronto. Seja feliz e divirta-se, mesmo sendo um usuário de Windows cercado de Textpads por todos os lados.


Ruby ao resgate

06.março.2009
Estou meio sumido, fazendo o projeto andar apesar dos gols contra, e chafurdando no Rails.

Fica uma dica para quem também está começando a se divertir no Ruby. Para executar um processo que pode causar uma exceção, podemos proteger o código usando rescue, assim como em C++/Java temos o try/catch:

begin
  file = open("arquivo")
rescue
  msg = "Arquivo não pode ser aberto"
  logger.error msg
  show_message :error => msg
end

Simples, não?