Detox

21.agosto.2009
Desenvolvedor também tem vida pessoal.

Finalmente tirei férias e vou aproveitar o tempo livre para casar, ter um(a) filho(a), tomar um pouco de sol, escrever um artigo, montar uma palestra e, se sobrar tempo, escrever uma aplicação de OCR só pelo tesão de programar.

Bom final de Agosto e bom início de Setembro a todos e lembrem-se, crianças: Winners write tests 😉


Viajando de novo

18.maio.2009
Estou na prosaica cidade de Santiago de León de Caracas, capital da Republica Bolivariana da Venezuela. Sim, povo aqui é megalomaníaco.

Mais duas semanas sem postar, sem dormir e sem comer direito.

E há quem pense que eu viajo para ficar esquiando por aí.


Cuide bem do seu Ubuntu

12.maio.2009
Criei um script para atualizar automaticamente o Ubuntu do meu servidor. Se manter o Linux atualizado é uma tarefa chata e repetitiva, por que não automatizá-la?

Vamos utilizar o crontab, que é o gerenciador de tarefas agendadas do *ux (Linux, Unix e parentes).

Crie um arquivo com o conteúdo a seguir:
sudo -i
nano ~/update.sh

#! /bin/sh
apt-get update
apt-get upgrade -y

Salve e feche com F2. Para testar, digite:
chmod +x ~/update.sh
~/update.sh >> ~/update.log
tail ~/update.log

Agora, dê permissão ao seu usuário para que ele execute o crontab:
nano /etc/cron.allow

Dentro do arquivo, insira os usuários que terão acesso ao cron, um por linha, incluindo o root se precisar.

Teste com crontab -e. Possivelmente irá aparecer um arquivo com a linha abaixo:
# m h dom mon dow command

Adicione no arquivo:
0 0 * * * ~/update.sh >> ~/update.log

Novamente F2 para salvar e fechar e pronto. Você tem um agendamento para que todo dia a meia noite o Ubuntu atualize sua lista de pacotes e execute um upgrade automático. Nem o Windows Update faz melhor, hein?

Caso você queira saber se ocorreu algum problema, basta olhar o arquivo update.log. Ele contém todas as informações do que aconteceu. E caso você queira que ele mantenha somente a última execução, basta substituir o >> por > no agendamento do crontab.

That’s all, geeks.

Update as 21h00: Meu script acabou de rodar (é meia noite no servidor). Funcionou \o/.


On the road

11.maio.2009
Devo estar há mais de mês sem publicar aqui.

Nesse meio tempo, a pressão só aumentou, passei Abril inteiro na matriz (ou na Matrix, como preferem alguns) desenvolvendo um projeto de seis meses em trinta dias. Hoje viajo para apresentar outro projeto e na semana que vem embarco novamente para fazer a instalação do projeto.

Além de fotos, eu sempre tento trazer dessas viagens alguma experiência que me faça crescer profissionalmente. Conforme for tendo tempo para respirar, vou publicar aqui alguns rabiscos que tenho feito “na estrada”.

Stay tuned.


Firula

08.maio.2009
Banner novo. Foto tirada num metrô europeu, na última viagem que fiz pela empresa. O lugar se orgulha de ser a menor cidade do mundo com Metrô.

Cada um com seus respectivos troféus, afinal.


Pressure

24.fevereiro.2009
Estou com três projetos para entregar, sendo dois até o fim da semana e um para o começo de Março.

Impressionante como, sob pressão, o desejo de voltar a práticar velhos e maus hábitos vem à tona. Estou brigando para continuar fazendo as coisas de um modo limpo. Mudança de cultura nunca é algo fácil.

Depois dos festejos pagãos eu volto. No momento tenho que trabalhar, enquanto meus vizinhos ouvem marchinhas estúpidas de carnaval e enchem os respectivos rabos de cerveja de milho.


Instalando Rails no Windows através de um proxy HTTP

11.fevereiro.2009
O título em si é maior que o post, mas vamos lá.

Instalei o Ruby numa máquina que acessa internet através de um proxy HTTP. A conexão não é transparente e todo software que eu instalo na máquina precisa ser configurado para se conectar corretamente.

Após instalar o Ruby, seja lá como você queira (eu instalei usando o ‘one-click-installer‘, execute:
set HTTP_PROXY=http://192.168.6.1:3128

gem install rails

E dê Enter em todas as opções, na falta de um “Yes to all”.

Após alguns instantes, para utilizar a última versão das bibliotecas, digite:

gem update --system

Finalizando, caso você queira utilizar Mongrel ao invés do WEBrick (eu recomendo), você executa:

gem install mongrell

Simples assim. Agora é só se divertir, sorrir e brincar.